Costuma-se afirmar que a incontinência urinária é uma consequência do processo do envelhecimento. Mas isso não é uma verdade. A incontinência urinária em homens pode ocorrer por vários motivos como Acidente Vascular Encefálico (AVE), Traumatismos medulares, Doença de Parkinson ou cirurgias prostáticas (prostatectomia radical). DE Todas as causas, 90% são por prostatectomia radical.

Define-se a incontinência urinária como a perda involuntária de urina pela incapacidade de controlar a micção. Ocorre quando o músculo esfíncter, que permite o fechamento da bexiga não é forte o suficiente para evitar a perda de urina. O grau de incontinência varia de acordo com a quantidade e frequência que ocorre essa perda, e a esforços.

Os homens que apresentam incontinência grau leve, perdem urina em pouca quantidade e a pequenos esforços: como tossir, espirrar ou rir, enquanto que os homens com incontinência de grau severo têm perdas contínuas de urina.

Entre as opções de tratamento da incontinência urinária está a Fisioterapia em Urologia: Os recursos utilizados para o tratamento da incontinência urinária são: eletroterapia, biofeedback e os exercícios para a musculatura do assoalho pélvico. Esses recursos têm como objetivo aumentar a força e a resistência dos músculos responsáveis pela continência urinária.

Por: Fisioterapeuta Tamires Borges