A cada ano, cerca de um milhão de brasileiros e 2,5 milhões de americanos procuram os consultórios de ortopedistas queixando-se de dores no calcanhar.

A maior parte desses pacientes apresenta um problema chamado fasceíte plantar, ou fascite plantar, uma inflamação no tecido que recobre os músculos da sola do pé, comumente chamada de esporão.

Para entender a origem do esporão de calcanhar é importante lembrar que a planta do pé é composta por estruturas elásticas (músculo) e rígidas (fáscia), que potencializam a força dos músculos flexores curtos dos dedos e funcionam como um braço de alavanca.

Na prática, essas estruturas aumentam a eficiência do impulso, que é acionado quando o calcanhar se distancia do solo.

Um estresse excessivo nesta região provoca um estiramento da fáscia, originando fissuras e inflamação. Entre as principais causas estão a retração do tendão calcâneo conhecido popularmente como tendão de aquiles e pés com a curvatura acentuada, rígidos, pouco flexíveis ou pronados.

Doloroso, e incapacitante, as pessoas mais suscetíveis ao problema são mulheres com idade entre 40 e 50 anos, praticantes de esportes como caminhada, corridas e maratonas.

Há, ainda, incidência significativa de casos entre as que trabalham em pé por longos períodos ou que sofrem com sobrepeso. O tratamento é principalmente clínico, realizado por meio de exercícios de alongamento do tendão de aquiles e da fascia plantar.

Estudos revelam que 80% dos portadores de esporão de calcanhar melhoram após seis a oito semanas de tratamento.

Mas será que podemos praticar Pilates com o esporão?

E no período de tratamento, existe alguma contra indicação?

Conheça os sintomas:

• Dor no calcanhar, principalmente pela manhã quando a pessoa levanta da cama.

• Quando a pessoa fica muito tempo em pé.

• Durante a prática de atividade física.

• Dificuldade de caminhar ou simplesmente pisar por conta da sensibilidade do local ou dor.

Saiba quais são as causas mais comuns do esporão:

• Pessoas que comprimem a região metatarsiana dos pés.

• Pessoas que por algum motivo colocam repetitiva tensão sobre a fáscia plantar (camada protetora superficial dos músculos), ou seja, puxam com força e constantemente a ligação calcânea da fáscia plantar.

• Em alguns casos que o periósteo seja progressivamente puxado para longe do calcâneo, criando um espaço entre este tecido e o osso (a fáscia não é diretamente ligada ao calcâneo, mas é combinada com uma espécie de capa plástica = periósteo).

• No caso das pessoas que criam a tensão na fáscia plantar, essas são suscetíveis a criar também uma fascite plantar (dor e inflamação em algum local da fáscia da planta do pé). Uma causa pode ser conseqüência da outra: Se o periósteo do calcâneo criar a passagem e for para longe do osso, então se cria o esporão ósseo.

Como tratar:

• O tratamento inicial consiste em medicação analgésica e antiinflamatória, fisioterapia com alongamento, palmilhas e redução do peso. Fisioterapeutas especializados no método Pilates podem aplicar as técnicas do método durante o período de reabilitação.

• Na maioria das vezes é o suficiente para resolver o quadro doloroso em oito semanas, com a prática de atividade física normal, porém tomando as devidas precauções em relação a transferência de peso sobre as pernas ou o simples fato de apoiar o calcanhar em alguma superfície rígida. Com os equipamentos e acessórios do Pilates temos muitas opções de superfícies, o profissional deve optar por superfícies elásticas, acolchoadas e entre exercícios onde evite contato essencial dos calcanhares.

• Nas situações persistentes pode ser necessária uma infiltração ou até aplicações de ondas de choque.

• Finalmente existe o tratamento cirúrgico, que é reservado para últimos casos.

No Pilates, pode-se explorar o corpo de forma global, em todos os decúbitos e em planos de movimento. O recurso pode ser um excelente auxiliar no acompanhamento, ou até mesmo na reabilitação de pacientes, desde que com diagnóstico comprovado de esporão calcâneo – a confirmação clínica é importante para evitar autodiagnósticos ou erros de avaliação, o que poderia comprometer qualquer forma de tratamento (doenças erradas tornam os remédios prejudiciais).

O uso do Pilates dependerá do condicionamento atual do cliente e da liberação médica para prática da atividade. Nesse caso contamos com a experiência de cada profissional para aplicarcom técnica o método, de acordo com as necessidades, e com as aplicações das modificações devidas para o quadro clínico individual de cada pessoa e cada exercício.

Fonte:revista.tudosobrepilates.com.br